INFORME FUI

 

LISBOA (2)


Lisboa é dessas cidades que ao longo dos últimos anos, foi redescoberta tantos pelos turistas como pelos próprios habitantes.

Parece que está sendo um bom negócio para ambos.

Os “alfacinhas” viram sua cidade prosperar e seus imóveis valorizarem, enquanto o turismo se encanta e se sente acolhido pela bela cidade.

Lisboa que outrora era mais centralizada, composta por algumas do que eles chamam de freguesias, agora se expande vendo seus prédios antigos reabilitados e uma penca de outros sendo construídos. Vejo com muita alegria que depois de anos difíceis economicamente, a cidade vá encontrando novos contornos e ficando mais e mais atraente.

Quantos restaurantes surgiram! Comer bem é quase uma regra. Há esmero e qualidade em todos eles. Há pouco tempo abriu por exemplo, o “Gourmet Experience” em um dos centros comerciais mais frequentados pelos brasileiros: o El Corte Inglés. Já não bastasse os extensos andares de artigos de toda sorte, o último andar é uma festa para qualquer paladar mais refinado. Uma variada e grande delicatessen divide lugar com os vinhos nacionais e estrangeiros. Restaurantes de chefes badalados somam-se uns aos outros além dos restaurantes tradicionais do próprio centro. Na hora da sobremesa, a oferta é grande: ali estão além de deliciosos quiosques de chocolates e sorvetes, uma filial da Alcoa. Para quem não conhece, a loja é uma espécie de paraíso dos doces conventuais, tão característicos de Portugal.

O El Corte Inglés tem ainda vários serviços muito úteis aos viajantes em geral, como cabelereiro, supermercado, reparo de sapatos, lavanderia, ótica, impressão de fotos, reparo de materiais esportivos como esquis e raquetes de tênis, etc. No entorno do centro comercial, não deixe de passear pelo Parque Eduardo VII. Além de bem cuidado, tem uma vista espetacular da vertente mais alta. Ali há um café em torno de um lago, o “Linha D’água”, bom para tomar um aperitivo e apreciar a vida ao ar livre.

Dentro do perímetro do parque, a Estufa Fria é um lugar surpreendente pouco falado nos roteiros de Lisboa. Uma espécie de jardim botânico coberto, com lagos, esculturas, cascatas e recantos para simplesmente estar em companhia do verde...vale a pena.

“Pulando” para o lado oposto da cidade, o Panteão Nacional é uma visita muito interessante. É um lugar que impressiona por suas dimensões e é facilmente localizável quando se sai na estação do metrô Santa Apolônia (linha azul). Sua cúpula imensa tem vistas espetaculares. Lá estão os túmulos como da fadista Amália Rodrigues e do jogador de futebol, Eusébio.

Juntando visitas, aproveitando a proximidade, nesse ponto você estará entre o bairro de Alfama e um pouco mais adiante, em um dos museus que mais gosto, o Museu Nacional do Azulejo já mencionado no artigo Lisboa (parte I). Para o museu é bom pegar um autocarro (n°759), o nosso ônibus, para seguir pela longa Av. Infante Henrique, e descer no ponto Igreja Madre Deus.
  









 



passeio-lisboa
passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa passeio-lisboa lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa lisboa lisboa lisboa lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa passeio-lisboa

Fotos: Angela Güzey
  
Para Alfama, depois que sair do Panteão, é seguir em frente e para o alto, se embreando nas ruas e ladeiras que sempre vão lhe surpreender positivamente. Um transporte como um tuk-tuk pode lhe ajudar nessa empreitada. Seja como for, a beleza irá se concretizar pelo caminho, seja no casario antigo, nos varais de roupa expostos sem pudor, ou numa igreja, como por exemplo a Igreja e Mosteiro de Vicente de Fora.  Simplesmente maravilhosa. Imagine que as fábulas de La Fontaine estão contadas em belíssimas pinturas em azulejos, só para lhe dar uma ideia do que não perder nessa capital recheada de atrações!

Seguindo a linha de passeios não tão óbvios e juntando um programa ao outro, que tal cruzar o Tejo e ver o Cristo Rei de perto? Cristo Rei é aquela imagem que vemos do outro lado do Rio Tejo e que nos faz lembrar da estátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro. Tomando um barco (ferry boat) no Cais do Sodré em direção Cacilhas, a viagem é curta, coisa de 10 minutos. Lá chegando, justo em frente, tome o autocarro de n° 101. Aí é só esperar chegar as portas do santuário (não tem como errar). O lugar é grande, apto as frequentes caravanas e grupos de peregrinação, e segue se revitalizando. Há infraestrutura no local com banheiros, loja de suvenir, restaurante, estacionamento, etc.

Dito isto, deixe-se encantar com uma das mais espetaculares vistas de Lisboa. Subir de elevador até aos pés da estátua também faz parte do programa. E as semelhanças com o Cristo Redentor carioca, também se dão no momento que chegamos ao topo: tentar “encaixar” de ponta a ponta, toda a estátua que tem 28 metros de altura e praticamente a mesma medida de “mão a mão”, nas fotografias!

Lisboa vale muitos informes por ser tão querida por nós brasileiros e pelo mundo que a descobriu recentemente. Lisboa continuará a ser o destino de sempre na vida de muitos.

ANGELA  GÜZEY - é psicóloga por vocação, e viajante e fotógrafa por paixão -

Termos de Uso do Portal
Este portal é de propriedade da Fui Viagens e Turismo, a qual se exime de qualquer ônus decorrente do mal uso das informações aqui disponíveis. Todo conteúdo - texto, imagens, vídeos, links -  deste portal é de propriedade intelectual privada. Sua divulgação - mesmo que parcial - não está autorizada.

Fui Viagens - Nossa Sra. de Copacabana 1183 Cobertura 2 - CEP 22070-011- Rio de Janeiro - Tel: +55 21 2227 3164 - 2113 9050 - info@fuiviagens.com.br
Horários de funcionamento: De Segunda à Sexta: 09:00 - 18:00 - Sábado e Domingo: Fechado
© 2019 FUI VIAGENS BRASIL - Todos os direitos reservados